Archive for maio \25\UTC 2007

h1

Conhecimento e promiscuidade

maio 25, 2007

“O conhecimento é promíscuo, se mistura.* ” Às vezes penso que a grande sacada do pensador, do filósofo, é traduzir com poucas palavras o que conhecemos e que é intrínseco. Tipo aquela inveja que a gente sente e que externamos como simples raiva, e não entendemos que é inveja até que alguém nos diga isso, ou apenas depois de muito nos analisarmos. Negamos a nós mesmos.
A promiscuidade é apenas mistura sem ordem. Pode dar uma olhada no dicionário, caso você suspeite que eu esteja usando de eufemismo. O conhecimento se mistura e dismistifica(ou não). O mesmo vinho tem gosto diferente para uma mesma pessoa, se entre o primeiro e o segundo gole essa pessoa conversou com alguém que entenda de vinho e esta lhe passou algumas dicas de degustação.
O conhecimento, além de promíscuo, altera a percepção em diversos níveis. Partindo da maçã que Adão comeu, da “Analogia da Caverna” de Platão até o  “Perceber é conceber” de Octavio Paz. Informações são jogadas a nós através de outdoors, spams, janelas de pop-up, outbus e etc, porém … o que é mesmo importante? Nem toda informação traz algum conhecimento que valha, isto é, se trouxer. E mesmo que batam em nossa porta informações importantíssimas, quantos de nós a deixamos entrar? A informação e consequentemente o conhecimento está sendo banalizado, sendo considerado um lugar-comum, algo que não chama mais tanta atenção. É ainda pior a questão sobre o que fazer com o conhecimento adquirido. Aí ele mostra mais uma face: a da embriaguez. Tem pessoas que se sentem no topo do mundo, ficam cegas e acabam por cair na armadilha do pensar que se é infalível. Quem seria assim com tanta informação fluindo em ondas que a gente nem vê?
Ainda penso que sábio mesmo foi Sócrates que disse saber nada saber. Ninguém detém a verdade absoluta e poucas são as barreiras em busca do conhecimento, o qual mexe com todos os sentidos, modifica mundos, contas bancárias e humores. Vou prometer deixar ele entrar caso ele bata na minha porta qualquer dia desses… quem sabe eu possa me contaminar e ver além do muro lá de casa. E o mais legal: contaminar as outras pessoas também.

*Alvin Toffler

peixe beta

h1

Cultura livre + Teatro Mágico

maio 21, 2007

Pra quem não sabe software livre é apenas um subtópico.
Tá, tudo bem, um subtópico ilustre, mas ainda assim subtópico!!

A questão em si é a cultura livre/colaborativa!!
A explicação mais simples que consigo pensar no momento:

Colaborar = co (junto) + laborar (trabalhar)

Colaborativo é uma coisa construída à muitas mãos!
Explicado? Acho que sim! =P

Existem grupos que lidam com mídia, com música, com rádio, com software e por aí segue o bonde.

O motivo desse post é um só: Teatro Mágico!

0651409000.jpgt_teatromagico6.jpg

t_teatromagico4.jpganitelli-e-o-fogo.jpg

Estive no primeiro show da turne nordestina da banda que aconteceu aqui no Recife, 20 de Maio. [Por sinal o vocalista comemorou o próprio aniversário no palco!]

Eu já tinha ouvido o cd da “banda”, e quando cheguei no show descobri que se tratava mesmo era de uma trupe. E que trupe!!
Músicos, atores e artistas circenses em cena, fazendo um verdadeiro alvoroço de de vida e luz. Impossível sair do show sem se sentir leve e feliz!

Bem no meio de uma música os artistas viram estátua no palco e a música para.
O único integrante que não parecia ter sofrido pane, se apossou do microfone e mandou:

– Xi.. deu pau! Se estivessem usando software livre não tinha travado.

Ouve-se uma musiquinha de Windows reiniciando e o show volta a carga total!

Ao longo do show seguem-se pequenas farpas à respeito da ordem dos músicos [e o fato de que Dj’s e MC’s nao são considerados músicos], do pagamento do jabá pras rádios e da banalização do corpo feminino nas propagandas de tv.

Eles não tem gravadora.
Vendem os Cds a R$ 5,00 no lugar do show.
Pedem pra galera ficar a vontade pra fazer piratão e/ou baixar da net. 😀

/me afim de ir pra Paraíba atrás do próximo show!!

O site:

http://www.oteatromagico.mus.br/

Os links dos mp3 tao quebrados no site, mas aqui funciona:

http://oteatromagico.palcomp3.cifraclub.terra.com.br/

Sobre as outras coisas colaborativas que falei alguns links:

Centro de Midia Independente
Re:Combo
Radios Livres

h1

Eu sou a Smalltalk

maio 14, 2007

You are Smalltalk. You like to treat everyone the same way, but this lack of individuality makes everyone feel like objects.
Which Programming Language are You?

Uuuuuuuuuuuhhh uhhhhhhhhhhhhhhhhh

que linguagem é essa?

De fato até que eu sou pequena, mas eu não conheço essa linguagem =D

peixe beta

h1

maio 14, 2007

uahuhuhUAhuhAhuah

taih meu perfil:

You are C++. You are very popular and open to suggestions. Many have tried to be like you, but haven't been successful
Which Programming Language are You?

h1

Nem me chame*

maio 14, 2007

Eu estava pensando… aliás, escutando. Minha irmã colocou para tocar um cd da banda Os Camaradas e me chamou atenção. Imaginem só… se um pagodeiro fosse também programador, como ele escreveria as letras das músicas dele? Eu os admiro muito pela noção bastante vasta de repetição. Nada contra pagode(inclusive outros ritmos também usam bastante a repetição), mas se repete e repete então dá para usar for, if, while, essas coisas =D Pensando assim escrevi a letra deles em Python, só pra gente ter uma idéia de como seria uma música de pagode escrita por um compositor programador =D Olha o código:

a = [‘Nao me chame nao’ , ‘viu’, ‘que eu vou’, ‘venha, venha, venha’]
b = “Que suinge e esse?”
c = “E dos camaradas”
d = [‘Samba pra ser bom tem que ser da rapaziada’, ‘Na boa, na fe, na manha, sem dar porrada’,
‘Tem que ter perfume chame ai a mulherada’, ‘Comeca durante o dia e vai invadindo a madrugada’,
‘Esse sao os caras, os caras sao camaradas’]

for i in range(0,4):
print a[0], a[1]
print a[0], a[2]

for i in range(0,4):
print a[3]

for x in range(len(d)):
print d[x]
print b
print c

for y in range(0,3):
for i in range(0,4):
print a[0], a[1]
print a[0], a[2]

for i in range(0,4):
print a[3]

Se a gente rodar vai gerar o seguinte:

Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
Samba pra ser bom tem que ser da rapaziada
Que suinge e esse?
E dos camaradas
Na boa, na fe, na manha, sem dar porrada
Que suinge e esse?
E dos camaradas
Tem que ter perfume chame ai a mulherada
Que suinge e esse?
E dos camaradas
Comeca durante o dia e vai invadindo a madrugada
Que suinge e esse?
E dos camaradas
Esse sao os caras, os caras sao camaradas
Que suinge e esse?
E dos camaradas
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
Nao me chame nao viu
Nao me chame nao que eu vou
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha
venha, venha, venha

E olhe que eu não coloquei para repetir todas as vezes que era para repetir mesmo =D Acho que compositores do tipo são programadores natos =D porém não se dão conta disso. Só vão “se encontrar” quando fizerem algum curso de programação. Mas vamos deixar isso pra lá, né?!

*Gente, por favor, não me levem a mal! Esse post é apenas uma brincadeira!

peixe beta

h1

wget pelo proxy

maio 11, 2007

Olá crianças!!

Depois de um looongo tempo de silencio no blog (leia-se corre-corre na faculdade e toda sorte de confusões e soluções estranhas =P ) estamos de volta!

Como eu ia dizendo….

Essa coisa de baixar o ubuntu novo através do proxy tava fundindo minha cabeça hoje de manhã.. A galera do suporte transforma esse tipo de coisa numa tarefa hercúlea. Eles sempre vão derrubar qualquer download que venha a roubar a (pouca) banda existente…

É aí que entra o wget!!!

Segundo o man do bichinho:

“GNU Wget is a free utility for non-interactive download of files from the Web.
It supports HTTP, HTTPS, and FTP protocols, as well as retrieval through HTTP proxies.”

Traduzindo (de forma beeeem livre):

“GNU Wget é um utilitário livre para baixar arquivos da web de forma não-interativa.
Ele dá suporte aos protocolos de HTTP, HTTPS e FTP, podendo obter esses arquivos através de proxies HTTP.”

Ele é chamado de não interativo porque depois que o donwload começa tudo o que você tem a fazer é deixar o micro ligado, não precisando se manter logado sacou?

O wget tem ainda a fabulosa capacidade de recomeçar um download exatamente de onde ele parou!! ( no meu caso, de onde foi interrompido =P)

Passeando pelo man ( man wget ) você vai se deparar com todo tipo de parâmetros e opções, como, por exemplo, os que permitem que se baixe uma página da web, mantendo a estrutura original de pastas e arquivos.

Fiz o seguinte procedimento:

Setei uma variável de ambiente relativa ao proxy:

export http_proxy="http://usuario:senha@ip-proxy:porta"

mandei o wget pegar o arquivo que eu queria (achei a url do arquivo na net):

wget --proxy=on --tries=0 <link-do-arquivo>

onde:
--proxy=on ativa o download através do proxy
--tries=0 faz com que as tentativas de download caso a conexao caia se repitam até que o arquivo esteja completo

E é isso gente!!!!
Até!

Ahhhh!!!
O link de download do ubuntu: http://ubuntu.c3sl.ufpr.br/releases/feisty/ubuntu-7.04-alternate-i386.iso

E o lugar onde aprendi essas coisas:
http://blog.taragana.com/index.php/archive/how-to-use-wget-through-proxy/