Archive for janeiro \26\UTC 2007

h1

Xorg.conf

janeiro 26, 2007

Frank (meu pc) ganhou um upgrade de Natal pra poder rodar as paradas que eu preciso pra aula. Ai surgiu a questao, Marcelo (Setanta), tu acha que vai reconhecer o hardware automaticamente? Num sei, mas vale a pena testar.

De fato tudo funcionou, exceto a interface grafica =$

Existe um arquivo chamado xorg.conf ( fica la em /etc/X11/xorg.conf ) que controla coisas como a especificacao do monitor, o chipset do adaptador de video, o layout de teclado, configuracoes relativas ao mouse e por aih vai.

Era exatamente esse arquivo de configuracao que num tava sendo atualizado pro meu hardware novo, e como configurar-lo na mao num tava surtindo efeito usei o w3m, pesquisei na net casos parecidos e achei uma dica que salvou o dia, aih resolvi registra-la aqui.

Reiniciei frank e rodei um live cd do ubuntu (funciona com outros lives, mas ubuntu eh o mais aparentado com o Debian que eh o q ta rodando lah em casa ), esperei que ele configurasse tudo o que era necessario para inicializar o linux (e isso inclui o Xorg.conf!!!!)

Ai foi so montar meu hd (a particao que ta o linux)
$ sudo mount /dev/hda2 /mnt

fazer um backup do meu antigo xorg.conf
$ sudo cp /mnt/etc/X11/xorg.conf /mnt/etc/X11/xorg_backup.conf

e copiar o xorg.conf do live pro diretorio correto do meu hd
$ sudo cp /etc/X11/xorg.conf /mnt/etc/X11/

e prontinho!!

No meu caso foi essencial ter guardado uma copia do arquivo antigo porque o live num tinha configurado o layout do teclado como br-abnt2. Ai foi so copiar essa parte do meu xorg antigo pro novo!

Pena que nao tive tempo de testar se o resto do sistema tava funcionando legal com a placa mae nova…uns dias depois meu hd pifou com todos os meu arquivos dentro [suspiro…]

Xeros!!

h1

vi!

janeiro 24, 2007

vi. Para alguns ele é legal, para outros um chato, mas é porque ele precisa ser compreendido! =] O vi é um dos editores de texto mais utilizados em terminal. Ele funciona através de comandos. As teclas h,j,k e l servem para navegação do cursor pelo texto. Claro que você também pode utilizar as setas de navegação do seu teclado para isso =] A barra “/” serve para pesquisa de caracteres, tipo um ctrl+f ou um ctrl+l de outros editores mais amigáveis. Aí é só você dar “enter” para ele procurar a próxima recorrência do item em questão.

Tem uns comandos mágicos:
yy copia a linha onde o cursor está;
p cola a linha que você copiou abaixo da linha onde está o cursor;
dd deleta a linha onde está o cursor;
suspend suspende a edição/visualização do texto
:q! para sair sem salvar;
:x! para sair salvando.

A exclamação(!) depois do “x” e do “q” é para forçar a operação, mas podem ser utilizados sem isso.

Se você pode utilizar os comando yy e dd associados a números para indicar quantas linhas você quer que sejam copiadas ou deletadas, por exemplo, se você digitar 4dd ele vai deletar 4 linhas a partir da linha onde o cursor está.

Na prática é assim:
$ vi nome_do_arquivo

Então ele vai abrir em modo de leitura. Para poder editar, você deve digitar i, a, o ou O além da tecla insert do seu teclado. O “i” é para inserir texto antes de onde o cursor está, o “a” é para depois do cursor, o “o” é para uma nova linha abaixo da qual o cursor está e o “O” é para inserir linha acima do cursor. A tecla insert tem a mesma função do “i”.

/*A opção que eu mais vejo o pessoal utilizar e inclusive eu utilizo, é o i*/

Depois de você editar, você utiliza a tecla esc para sair do modo de edição e então :q! ou :x!.

Tá vendo que ele não é tão chato quanto parece =] ?!

bjux!

peixe beta

h1

(in)utilidades do maior que!

janeiro 12, 2007

O xmms, assim como o winamp, permite que voce crie uma listagem de músicas e salve em arquivo com extensão pls ou m3u. Aí, regados a macarrão e fanta uva, tavamos eu e Setanta brincando (no pc, lógico!) quando descobrimos uma ondinha interessante.

Pela linha de comando é possível criar o arquivo .m3u com suas músicas favoritas e mandar pro xmms!!!

Como? Oia aí!

Primeiro a gente listou somente as mp3 do diretorio ( ls *.mp3 ) e mandou o resultado pra um arquivo qualquer com extensao m3u ( > listaMusica.m3u ) , vale lembrar que este m3u passou a existir só depois desse comando ok?

Depois listamos os ogg e concatenamos (>>) no mesmo arquivo m3u

cel@frank:~$ ls *.mp3 > listaMusica.m3u
cel@frank:~$ ls *.ogg >> listaMusica.m3u
cel@frank:~$ xmms listaMusica.m3u

Prontinho!!

Nota: Não consegui fazer a mesma coisa com a extensão pls.

h1

ex

janeiro 4, 2007

Quem acha o vi estranho e chato deveria dar uma olhada no ex. Ele é bem pior heheheehe. Enquanto o vi é orientado ao texto, o ex é orientado a linha. Como assim???? Com o vi você visualiza o texto inteiro, com o ex, você vê de linha em linha. Assim que você entra nele com o comando
$ ex nome_do_arquivo

Você se depara apenas com “:”. Daí você digita “1” e pode dar “enter” para visualizar o resto do texto =]
Manual básico de sobrevivência no ex:
[linha] a seu_texto [ctrl+c] -> adiciona uma linha após a que foi indicada
[linha] i seu_texto [crtl+c] -> adiciona linha onde indicado
visual -> para visualizar o texto inteiro (passa para o vi)
suspend -> suspende a edição/visualização do texto
q! -> sai sem salvar
wq! -> sai salvando as alterações
write -> salva as alterações
preserve -> salva uma cópia que você pode visualizar depois com o comando ex -r nome_do_arquivo

Vamos criar um texto com o ex para se entender melhor essa história:

dea@biu-debian:~$ ex joao_e_maria.txt
joao_e_maria.txt: new file: line 1
:i
Agora eu era o heroi
E o meu cavalo so falava ingles
A noiva do cowboy era voce alem das outras tres
Eu enfrentava os batalhoes
Os alemaes e seus canhoes
Guardava o meu badoque e ensaiava um rock para as matines

Chico Buarque
:

Vou pedir para salvar:

:write
joao_e_maria.txt: 8 lines, 230 characters
:q!

Facinho, né =] ?

peixe beta

h1

Cate o cat

janeiro 3, 2007

Por estranho que pareça, com o comando cat além de visualizar arquivos e concatenar, também pode-se criar um arquivo de texto. Basta fazer o seguinte:
$ cat > nome_do_arquivo.txt

Esse cara, o >, vai direcionar o que você digitar para o arquivo que você irá criar. Depois para sair da criação do texto basta digitar CTRL+D. O cat ainda pode ser mais legal com você e enumerar as linhas dos textos através da opção -n. Vejam o exemplo abaixo, quentinho, saindo agora do meu terminal:

dea@biu-debian:~$ cat -n exemplo.txt
1 É só para dizer
2
3 que se pode digitar e salvar algo como .txt através
4
5 do comando cat. Porém…
6 não tem muita graça usar isso para textos que exijam
7 uma melhor formatação ou que sejam longos.
8 Sacou?
dea@biu-debian:~$

A idéia é essa: de fato não tem muita graça fazer textos longos, mas … textos pequenos você pode criar. Favor não tente editar textos com o cat porque senão vai sobrescrever e você vai dançar =]

peixe beta