Archive for dezembro \21\UTC 2006

h1

apt-get pelo proxy da rede

dezembro 21, 2006

Aiai..

Lógico que dá problema quando você chega na maior tranquilidade do mundo, dá um apt-get e descobre que num vai funcionar por causa do proxy da rede.

Lógico que tem como fazer uma configuraçãozinha ninja-nem-tão-ninja-assim e ajeitar isso! 😉

Seguintche. Na linha de comando (sim, também pode ser pela interface, embora fique deselegante :)~ ) utiliza o seu editor de texto preferido pra modificar o seguinte arquivo (usando o sudo hein?) /etc/apt/apt.conf

No meu caso foi o nano:

sudo nano /etc/apt/apt.conf

Aí é só deixar a sintaxe mairromeno assim:

apt::parâmetro-não-catucável
apt::parâmetro-não-catucável
apt::parâmetro-não-catucável
apt::parâmetro-não-catucável

DPkg
{
Options {“–force-overwrite”;}
}
Acquire
{
Retries “0”;
http
{
proxy “http://seu-nome-de-usuario:sua-senha@ip-do-proxy:porta-http”;
};
ftp
{
proxy “ftp://seu-nome-de-usuario:sua-senha@ip-do-proxy:porta-ftp”;
};
}

bjos

h1

Editor de Diagramas

dezembro 21, 2006

Estamos (eu e a peixinha beta) pagando uma cadeira de Engenharia de Software Orientada a Objetos e enfrentamos sempre a mesma dificuldade: as cadeiras são ministradas em windows e a maioria dos alunos da turma usa wuindows, ou seja, as ferramentas sugeridas pelos professores são para que sistema? Windows, senhoras e senhores!!!

Invariavelmente caímos numa busca maluca, e nem sempre bem sucedida, atrás de ferramentas equivalentes às sugeridas em sala de aula mas que rodem em linux, que é o SO que usamos em casa e no trabalho.

Dessa vez obtivemos sucesso!! (vou poder comecar a fazer os exercícios em casa heheh)

E que sucesso!! A vedete da vez é o Dia! Um editor de diagramas que suporta não só UML como diagramação de circuitos, redes e roteadores CISCO, mapa isométrico e até quebra-cabeça!!

Facil de catucar, todinho em Português e pra lá de auto explicativo!!!!!

Classe em UML feita no Dia
(Manda botão direito->ver imagem pra ver com mais detalhes)

Um lance legal é o dia2code, um gerador de código que transforma os diagramas UML do dia em arquivos C, C++, Java, Ada, PHP, Python, Shapefile, SQL, e C#.
Depois do pacote instalado é só entrar na pasta (linha de comando viu?) onde você salvou o diagrama UML do Dia e digitar:

dia2code -t linguagem-que-você-quer nome-do-diagrama-uml.dia

No caso aí da foto eu fiz assim:

dia2code -t java Diagrama1.dia

E obtive:

public class Sala {
/** Attributes */
public Porta porta;
public Janela janela;
/**
* Operation
*
*/
public void abrePorta ( ){
}
/**
* Operation
*
*/
public void fechaPorta ( ){
}
/**
* Operation
*
*/
public void abreJanela ( ){
}
/**
* Operation
*
*/
public void fechaJanela ( ){
}
}

Né lindinho?? =^^=

h1

Precioso Ruby

dezembro 11, 2006

Ruby é uma linguagem de programação que tem começado a ganhar espaço. Está entre as 10 linguagens mais utilizadas e é orientada a objetos.Foi criada por Yukihiro Matsumoto, que é carinhosamente chamado de “matz”. Bem, dizem por aí que ela é bem divertida (??? – não sei qual é a graça) Mas tudo que falei até agora só faz encher linguiça mesmo (em outras palavras: não significa muito). O melhor vem agora!! Vamos dar uma olhada num código pequeno, só para se ter uma idéia:
‘#’ isso é comentário !!!
****************************
def hello # definindo um método
return ‘hello! hello!’ # o que esse método vai retornar
end

def goodbye (say) # esse método tem um parâmetro, que eu chamei de ‘say’
return ‘I don´t know why u say goodbye ‘ + say
end

puts (goodbye(‘I say hello’)) # puts imprime na tela
puts (hello)

****************************

Só para deixar as coisas mais “entendíveis” esse código geraria o seguinte:

I don´t know why u say goodbye I say hello
hello! hello!

Facinho, né? O legal é você provar o ruby no Try Ruby direto no seu browser. Você chega lá e digita: help. Então fica disponível um tutorial pequeno, no pé da janelinha. São coisas simples, que mesmo quem não conhece de linguagem de programação pode testar sem problemas. Eu testei e achei uma idéia muito legal, tão legal que me incentivou estudar Ruby =]

peixe beta

h1

RAID: Jogo de hd´s

dezembro 2, 2006

Parece até nome de jogo, ou de inseticida, porém é uma técnica de backup boa para se evitar altas emoções em perceber que se perdeu dados muito importantes =] Significa Redundant Array of Independent Disks (Conjunto Redundante de Discos Independentes). Há em diversos níveis (que nada tem a ver com hierarquia, é no sentido de tipo mesmo) sendo os mais comuns: 0,1,2,3,4,5,10 e 50 em uma brincadeira de hd’s. Vamos imaginar que temos um computador com no mínimo dois discos rígidos, ok?

O RAID pode ser realizado por software, onde o kernel ou um aplicativo gere isso, ou então por hardware através de uma placa controladora, por exemplo.

O RAID 0 tem um nome interessante: stripping. Ele não oferece redundância de dados (o mesmo dado gravado duas vezes) mas aumenta a velocidade de acesso a estes. É como se ele gravasse um pedaço do dado em um disco e em outro disco gravasse a outra parte. O RAID 1 é chamado de espelhamento de dados porque grava um mesmo dado duas vezes (uma em cada disco). Muito bom para quem quer seus dados salvos a todo custo =]

Ainda existe a combinação desses, como o RAID 1.5 que é como se chama uma técnica que combina o nível 0 e o 1. Funciona utilizando os discos de forma a ter duas partições: uma com stripping e a outra com espelhamento.

Atualmente a maioria das placas-mãe utilizam algum tipo de controlador RAID e o Linux utiliza o RAID por software. Você pode para isso utilizar o comando mdadm pelo terminal para criar e administrar. A man page do mdadm explica as opções para que se crie um RAID legal =]

– Na wikipedia

peixe beta